04/05/2017

INSEGURANÇA DA POPULAÇÃO AMEAÇA DEMOCRACIA NO BRASIL


1493726909_087841_1493729903_noticia_normal_recorte1
“Fui assaltado, mas pelo menos me deixaram vivo”. “Só peço que os bandidos não façam nada com meus filhos”. “No final tive sorte porque não me enfiaram a faca nem me deram um tiro”. “Já saio de casa preparada, pensando que posso ser assaltada”. Essas são algumas das frases que li nos jornais em crônicas de cidadãos assaltados na rua ou em suas casas. O que significam? Do ponto de visto humano, um mecanismo compreensível para suportar o medo da violência. Do ponto de vista político, representa a derrota de todos os Governos do Brasil, desde a chegada da democracia até hoje. Todos eles aparecem reprovados em matéria de segurança da população. Até quando uma democracia pode resistir a essa grave situação? Com uma polícia corrupta, sem preparo e mal remunerada, que é a que mais mata do mundo e a que mais morre, as pessoas se sentem inseguras na rua.
insegurança alcança a todos, em cidades grandes e pequenas, e cria uma sociedade que corre o risco de pisotear direitos humanos inalienáveis com episódios como o linchamento em praça pública de quem tenta roubar um celular. Nesse clima de fazer justiça com as próprias mãos, a polícia executa sem piedade à luz do dia e as balas perdidas matam crianças dentro das escolas ou nos braços de suas mães. Nem se trata mais de distinguir entre vítimas e carrascos. Acabamos nos transformando todos em carrascos quando aplaudimos a polícia que dispara contra pessoas desarmadas ou quando deixamos um policial ferido morrer na rua.
Na Espanha, durante a ditadura franquista, quando meus irmãos e eu encontrávamos uma patrulha policial na estrada, ficávamos com as pernas tremendo. Infundiam medo em vez de segurança. Ao contrário, na primeira vez que visitei Londres, vi que as pessoas se sentiam protegidas com a presença policial. Aterrissei no Brasil e voltei a recordar os duros tempos franquistas. Também nos brasileiros a presença da polícia infunde temor. Consideram-na corrupta e vendida ao tráfico de drogas. Para muitos, policial é sinônimo de bandido. Nas favelas, a polícia às vezes é mais temida que os traficantes.
A polícia, por sua vez, também se sente vítima e não carrasco. Para que prender vivos os bandidos se a justiça os coloca na rua no dia seguinte? É um mantra que se ouve com frequência. A reforma da polícia é talvez a tarefa mais difícil e sempre adiada por todos os Governos. O Brasil é um país perigoso e a carreira policial é amarga e sem prestígio. Em casa precisam lavar as fardas sem as expor para que nem os vizinhos saibam qual é sua profissão. Nos dias de folga, em que poderiam levar uma vida normal, é quando correm maior risco e quando mais morrem. A polícia tem fama de se corromper, de que é melhor não chamá-la quando se é agredido. “Não adianta nada”, dizem. Daí que às vezes a polícia caia na tentação de não andar com tantos escrúpulos e não se esforçar para prender os delinquentes preservando sua vida. Para quê?
A polícia brasileira, além de matar mais que qualquer outra do mundo, é também a menos preparada e a mais mal remunerada.




BLOG DO XERIFE 

Nenhum comentário:

COM DISCURSO DE CANDIDATO, LULA DIZ QUE PODE ‘CONSERTAR O PAÍS

No último dia da passagem de sua caravana pela Bahia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou de um evento com agricultores fa...