16/10/2017

A MALDIÇÃO DO VIAGRA. VALE À PENA LER



Relutou, estava ficando velho, seria como uma rendição, mas ainda era um homem cheio de amores, acostumado as paixões e aos prazeres da carne. Entrou na farmácia e pediu uma caixa de Viagra, o balconista lhe perguntou se era o de 25 mg, 50 mg, ou de 100 mg, seu ímpeto inicial foi o de pedir o de 25 mg, mas para garantir pediu o de 50 mg, o de 100 mg, jamais, seria a total e completa rendição. O balconista de forma irônica ao entregar o medicamento pergunta se o Viagra é para um parente seu, sua integridade e seriedade não permitiriam a mentira e muito menos a ironia.
– É para mim mesmo, e você meta-se com a sua vida, seu idiota!
Trancado no banheiro lia a bula atentamente, assustando-se com as contra-indicações e efeitos colaterais, encheu-se de coragem, amava a sua mulher, e engoliu o comprimido, estava feito, olhou para o seu relógio de pulso e começou a marcar os 60 minutos de que necessitaria para evidenciar os resultados esperados. Começou a insinuar-se para a sua esposa, abraçou-a por trás, beijou a sua nuca, virou-a, deu-lhe um beijo prolongado, elogiou a sua beleza que o tempo com toda a sua maldade não tinha conseguido abalar, suas carnes ainda rijas, e ela respondeu maravilhada a esta súbita incursão amorosa fora de hora de seu marido, sentindo-se desejada. Mas ela lhe lembrou que ainda faltavam algumas coisas para completar o almoço, e lhe deu uma pequena lista de compras, saiu em direção ao mercado de olho nos minutos, faltavam 45, fez as compras rapidamente, não comparou os preços e no caixa, tentou se desvencilhar o mais rápido possível, faltavam 27 minutos, no retorno para casa encontrou um amigo que o parou para contar uma novidade, daquelas que quase sempre só interessam para quem conta, começando a sentir a face afogueada e o início de calores íntimos, simulou uma indisposição intestinal para interromper a conversa indesejada, despediu-se e andou apressadamente, quase a correr, fato que fazia aumentar o fluxo sanguíneo e por consequência o antegozo do que viria pela frente, o elevador enguiçou, o porteiro conseguiu abrir a porta , galgou de dois em dois os 4 andares, conseguiu chegar, largou as compras em cima da mesa da copa e arfando pela falta de ar, fruto do esforço, da agitação e do desejo, toma a esposa pelos braços e a beija apaixonadamente, que estupefata diante do arroubo juvenil de seu marido, larga o pano de pratos sobre a pia e se abandona nos braços de seu velho homem e companheiro de muitas jornadas, começam ali mesmo na cozinha a se liberarem de algumas peças de roupas, como se fossem dois jovens amantes. A campainha da porta toca, era a sobrinha que viera do interior, que chegava mais cedo para a visita esperada a noite, visita longa, daquelas para “botar a conversa em dia”.
Enquanto as duas mulheres conversavam animadamente na cozinha, ele no banheiro, dava a descarga no vaso, levando com ela os comprimidos remanescentes, não passaria mais por aquela ansiedade, dali para a frente, até quando Deus e a sua genética permitissem, seria só ele mesmo, sem artificialismos, justificava-se, enquanto pelo vaso escoavam as suas efêmeras esperanças de alguns minutos de juventude eterna.
Do Observatório da Literatura





*Robson Pires

Nenhum comentário:

CAPITÃO STYVENSON REALIZOU PALESTRA EM NOSSA RIACHO DE SANTANA COM GRANDE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR

Aconteceu na manha de hoje(25) no Centro Cultural Valdemar Fernandes em nossa Riacho de Santana uma palestra realizada pelo Capitão ...